Monday, December 18, 2006

Gambinha...


Gamba...
Vês aquele barquinho mais distante? És tu!... Aquele que se afasta um pouco...
Vês os outros dois, cada um para seu lado? Um é a Sardinha outro a Conquilha...
Três barquinhos, cada um com o seu caminho, mas no entanto nenhum barquinho deixa de acompanhar os outros... E por cima tens a Mãe de todas as coisas que nos guia a todos...
Seja o que a Vida te reservar doravante, estaremos sempre cá, para o que der e vier.
Coragem e Boa Sorte!!!!
:D

Amiga Gamba



"Amigo é para sempre, mesmo que o sempre não exista!"
'
(e não vale a pena dizer mais nada...)
'
'
(Frase de Marcelo Batalha, 1996)

Thursday, December 14, 2006

e porque é quase... Natal...

HO HO HO HO HO

Olá Pai Natal, a 1ª vez que escrevo para ti
Venho de Lisboa, o pessoal chama-me sardinha do pesca-aqui
Poupa o atrevimento, mas tenho alguns pedidos
Espero que não fiquem n'alguma prateleira esquecidos
Como nunca te pedi nada
Peço tudo de uma vez e fica a conversa despachada
Talvez aches os pedidos meio extravagantes
Queria que pusesses juízo na cabeça destes governantes

Tira-lhes as armas e a vontade da Guerra
É que senão acabamos a pedir-te uma nova terra
Ao sem-abrigo indigente, dá-lhe uma vida decente
E arranja-lhe trabalho em vez de mais uma sopa quente

E ao pobre coitado e ao desempregado
Arranja-lhe um emprego em que ele não se sinta
explorado
E ao soldado, manda-o de volta para junto da mulher
Acredita que é isso que ele quer
Vai ver África de perto, não vejas pelos jornais
Dá de comer às crianças, ergue escolas e hospitais
Cura as doenças e distribui vacinas
Dá carrinhos aos meninos e bonecas às meninas
E dá-lhes paz e alegria
Ao idoso sozinho em casa, arranja-lhe boa companhia
Já sei que só ofereces aos meninos bem comportados
Mas alguns portam-se mal e dás condomínios fechados
Jactos privados, carros topo de gama importados
Grandes ordenados, apagas pecados a culpados
Desculpa o pouco entusiasmo, não me leves a mal
Não percebo como é que isto se tornou um feriado
comercial
Parece que é desculpa para um ano de costas voltadas
E a única coisa que interessa é se as prendas estão
compradas
E quando passa o Natal dás à sola
Há quem diga que não existes, quem te inventou foi a
Coca-Cola
Não te preocupes que eu não digo a ninguém
Se és Pai Natal, deves ser pai de alguém
Para mim Natal é a qualquer hora, basta querer
Gosto de dar e não preciso de pretextos para oferecer

E já agora para acabar, sem querer abusar
Dá-nos paz e amor e nem é preciso embrulhar
Muita felicidade, saúde acima de tudo
Se puderes dá-nos boas notas com pouco estudo
Desculpa o incómodo e continua com as tuas prendas
Feliz Natal para ti, e já agora, baixa as rendas.
Feliz Natal!

(adapatado de Boss Ac)

Monday, December 11, 2006

João Pedro, 4a classe
Composição: "As rãs"

Eu gosto muito de rãs. As rãs arrotam a noite toda. As rãs são mais pequenas que as vacas e mais grandes que um pintelho. As rãs não têm pintelhos. As rãs põem ovos pela cona que depois dão râzinhas pequenas. Se as rãs tivessem pintelhos na cona arranhavam os ovinhos que são muito pequenininhos e as rãzinhas que estão lá dentro iam morrer porque entrava água pelas arranhadelas e elas morriam afogadas e porque quando são pequenas não têm patas e não sabem nadar. Eu também ainda não tenho pintelhos mas já sei nadar. As rãs são as mulheres dos sapos. Os sapos não têm unhas por isso não podem coçar os colhões. É por isso que eles andam com as pernas abertas a arrastar os colhões que é para os coçar. E quando se picam nos colhões os sapos dão saltos. As rãs também dão muitos saltos, por isso têm a cona sempre aos saltos. Eu gosto muito de rãs. E gosto muito de sapos.

Monday, December 04, 2006

ah poisé.